Fazendo uma faxina no cafofo acabei por colocar em ordem os meus discos. Dando uma olhada neles me deparei com alguns de trilhas sonoras, como esse do Juno na foto acima, e uns antiguinhos com músicas de filmes como; Bonequinha de Luxo, Ghostbusters, Karatê Kid, Top Gun, etc. Então tive a ideia de compartilhar com vocês algumas trilhas sonoras que eu gosto muito, e de quebra deixar algumas dicas de filmes. Preparem-se para uma overdose!

10- Submarine

submarine poster O FILME: Oliver Tate mora com seus pais no País de Gales. O garoto de 15 anos tem uma mente muita fértil e com uma estranha mania de imaginar que sua vida é monitorada por câmeras, como se estivesse em um reality show ou um filme e fosse a estrela principal. E como qualquer adolescente, começa a fazer as descobertas da vida adulta. O que eu mais gosto no filme é a temperatura. Como assim? Bem, todo o filme é gravado em um climinha gélido e úmido.

A TRILHA: Ponto forte do longa, assim… DISPARADO! Sempre curti a voz do Alex Tuner. Mas nesse trabalho o músico vem com uma pegada mais leve, diferente do seu primeiro álbum e trabalho com a banda Arctic Monkeys. A música tema, Stuck On the Puzzle traduz o roteiro, tanto pela parte visual quanto por aspectos psicológicos de Oliver. Alex manteve seu traço estilístico de subjetividade e simbolismo. O termo Stuck On the Puzzle é uma expressão que remete à ideia de incertezas na adolescência, e o modo como os jovens vão descobrindo e compreendendo as facetas da vida com o desenrolar da mesma. Todas as músicas acompanham os medos, paixões, inseguranças e descobertas de Oliver Tate, só que não de uma maneira óbvia, tudo está envolto numa subjetividade que casa de maneira perfeita com as cenas. Alex Tuner deixou a trilha sonora totalmente sincronizada com a história.

09- Juno

poster juno O FILME: Assisti Juno por causa de uma matéria da escola. Era época de ensino médio, e não sei exatamente para qual  matéria, mas provavelmente algo com o tema de sexualidade. Já que todo o enredo do filme é sobre uma adolescente que acaba perde a virgindade com um amigo e acaba engravidando e tendo que lidar com essa situação. O filme não é o meu favorito do mundo todo, mas lembro que quando assisti achei a Juno uma personagem forte e muito madura para a idade, e por isso ganhou minha simpatia. O filme foi bem elogiado na época e concorreu ao Oscar 2008 em 4 categorias: Melhor Atriz (Ellen Page), Melhor Diretor (Jason Reitman), Melhor Roteiro Original (Diablo Cody) e Melhor Filme, e acabou levando pra casa a estatueta de Melhor Roteiro Original.

A TRILHA: Então vamos falar da trilha! Marcou. Simples assim. Eu devia ter entre 15 ou 16 anos quando ouvi pela primeira vez. E como eu morava, e ainda moro, em uma cidade do interior não era tão fácil conversar com o pessoal da escola sobre meu gosto musical. Não que ele fosse tão diferente assim, apenas a galera não curtia tudo que eu curtia. Resultado, tudo que eu descobria era por conta própria. As músicas eram meus segredos, que ninguém fazia questão de descobrir e eu muito menos de proclamar. Juno foi uma dessas descobertas sonoras. A trilha tocou por muito tempo na minha vida e hoje é uma lembrança boa, de uma época em que eu saía no recreio para sentar no gramado e ouvir The Velvet Underground e Belle & Sebastian no meu mp3.

08- Guardiões da Galáxia

guardiões poster O FILME: Heróis da Marvel, efeitos especiais muito bons, lugares futuristas (referências Star Wars rolando adoidado) e é isso aí. Uma galera barra pesada que ao lado dos mocinhos tenta combater um vilão casca grossa. Sem muito mais a declarar. É gosto pessoal, mas esse tipo de filme não fica no meu topo de prediletos.

A TRILHA: Agora sim. Achei a ideia, de um filme futurista, no espaço ter uma trilha sonora das antigas muito boa! Com hits dos ano 70 a trilha sonora é parte importante do longa, pois são escolhas musicais da mãe do protagonista que montou playlists em fitas cassetes para o filho. E essa é uma maneira de Peter Quill manter a sanidade, a música é muito importante para ele. Grande sacada, grande trilha! Um dia desses estava conversando com um amigo e comentamos sobre a trilha do filme e sobre como é legal montar playlists. O legal é ver como nossos gostos mudaram, tão nostálgico. Então se você está atrás de referências do anos 70 aperta o play.

 

07- Frances Ha

Frances Ha poster O FILME: Sinceramente eu não lembro muito bem da história completa desse filme, hahahaha! Mas resumidamente Frances é uma dançarina que tenta levar a rotina lidando com as frustrações e incertezas da vida, como a maioria de nós. E é isso aí. Lembro que assisti ao longa mais pela fotografia do que pelo roteiro. E ó, fotografia tá nota 10! Tudo no preto e branco. Delicado e com vários momentos doces e singelos. Indico, mas não é um filme para assistir várias vezes na vida.

A TRILHA: A trilha é um deleite! Houve a mistura entre cantores e bandas como; Paul McCartney, David Bowie, The Rolling Stones, Harry Nilsson e Hot Chocolate e opção pelos clássicos também está presente na trilha sonora, que usa Bach, Mozart e, principalmente, Georges Delerue, grande compositor da Nouvelle Vague que trabalhou muitas vezes com François Truffaut e Jean-Luc Godard. O site IMDb disponibiliza a trilha completa nesse link aqui.

A minha música favorita é “Thème de Camille” de Georges Delerue, escrita para o filme Le Mépris (1963) do diretor Jean-Luc Godard.

06- Elena

elena poster O FILME: Na verdade Elena é um documentário, e um dos mais lindos que já vi! Quando assisti pela primeira vez foi como se alguém tivesse me dado um soco bem na boca do estômago. Fiquei atordoada. Dirigido por Petra Costa o doc é baseado na vida da atriz Elena Andrade, irmã mais velha de Petra. Foi premiado em diversos festivais ao redor do mundo e aclamado pela crítica, considerado uma experiência única no cinema contemporâneo, por extrair de um tema difícil – o suicídio da irmã da diretora Petra Costa – sua força poética e cinematográfica. Falar sobre um tema como esse não deve ser fácil, ainda mais quando você precisa passar a história de alguém a quem muito amou. Petra virou uma referência para mim, não só por seu trabalho, mas por sua coragem ao remexer no passado na busca em conhecer Elena de fato. Refazendo os passos da irmã, lendo seus diários, compreendendo suas escolhas e por consequência trazer Elena para o lugar que ele sempre quis chegar, nas telas e apreciada por milhares de pessoas.

A TRILHA: O tom poético do doc também pode ser apreciado na trilha sonora. Com canções originais de Gustavo Ruiz, Fil Pinheiro, Maggie Clifford, Vitor Araújo. Mas na minha opinião o grande destaque foi para a Valsa pra Lua de Vitor Araújo (amo a interpretação desse cara).

05 – Adeus, Lênin!

lenin poster O FILME: Faça um favor, senta aí e assiste esse filme! Good bye, Lenin! é um filme alemão de 2003 dirigido por Wolfgang Becker. Inspirado em um período importante da história cultural da Europa, a queda do Muro de Berlim e a reunificação das duas Alemanhas. O protagonista da trama, Alexander , em 7 de outubro de 1989, durante as festividades pelos 40 anos da RDA, vai às ruas do lado oriental de Berlim, onde vive com a família, para protestar contra o governo. Mistura-se aos manifestantes que sua mãe (Kathrin Sass), professora identificada com o regime de orientação soviética, condena. Um ataque cardíaco, no entanto, a deixa em coma no hospital durante oito meses, tempo suficiente para que não assista à queda do muro de Berlim e a implantação no país do sistema capitalista. Quando afinal desperta, Alexander quer preservá-la do choque e a leva para o apartamento da família, cuidadosamente preservado como se a RDA ainda existisse. Seu esforço será o de manter, nessa espécie de museu do socialismo, um país que, enfim, encontra o destino grandioso que jamais havia lhe sorrido. (via Wikipédia). GENIAL!

A TRILHA: Yann Tiersen é um dos meus compositores favoritos da atualidade. Francês, nascido em Brest, extremidade oeste da França, Tiersen é compositor e multi instrumentista: toca piano, acordeon, violino, guitarra, carrilhão, banjo, bandolim, violão, cravo, vibrafone, baixo e escaleta. Além de compor as músicas é ele quem também toca todos os instrumentos. Por essas e outras tenho uma baita admiração pelo compositor.

04- Into The Wild

into-the-wild poster O FILME: Um dos meus filmes favoritos e baseado em um dos meus livros favoritos. Into The Wild foi como um empurrão para muitas coisas na minha vida. Ok, não moro em um ônibus abandonado e nem fico perambulando por aí, mas aprendi muita com essa história. Acho que todo mundo já assistiu a esse filme. De maneira resumida o filme é a biografia de Christopher McCandless, um jovem que após a faculdade decidi doar todo o seu dinheiro a uma instituição de caridade, mudar de identidade e partir em busca de uma experiência genuína que transcendesse o materialismo do cotidiano.

A TRILHA: Livro favorito, filme favorito, trilha sonora também está entre as favoritas. Eddie Vedder e sua inconfundível voz em canções libertadoras.

“When you want more than you have you think you need. And when you think more than you want your thoughts begin to bleed. I think I need to find a bigger place, because when you have more than you think you need more space”

03- C’est pas moi je le jure!

20481056 O FILME: O ano de 1968 marca uma virada na vida do menino Léon Doré, dez anos. Sua falsa tentativa de suicídio, por enforcamento, fracassa por um fio. Pouco depois, sua mãe neurastênica, que se sente sufocada pelo marido, vai morar na Grécia, deixando seus dois filhos com o pai. Enquanto o irmão mais velho cultiva um rancor surdo, Léon pilha e faz uma bagunça danada na casa dos vizinhos que viajaram de férias. Finge ter um problema na vista para justificar as péssimas notas no colégio, arma tramoias, manipula, faz seu pai e todos de bobos. Menos Léa, a jovem vizinha que percebe tudo e que, tendo ela própria contas a acertar com a vida, irá ajudar Léon a roubar o dinheiro para comprar uma passagem de avião para a Grécia. Apesar de todas essas confusões Léon é só um menino buscando atenção, tudo que ele faz é um pedido de ajuda para seus problemas mal resolvidos. Eu adoro esse filme! A fotografia, direção de arte, o roteiro, e claro, a trilha sonora.

A TRILHA: A voz do canadense Patrick Watson, sério… é irresistível. E apesar de não ter encontrado muitas informações sobre a trilha do filme C’est pas moi je le jure! Só posso dizer que assim que acabei de assistir corri para o computador para caçar o compositor. Me apaixonei.

02- A Vida é Bela

19962446 O FILME: Quanto amor pode caber por um filme? Clássico dos clássicos! A história se passa na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. Guido, um judeu, é mandado para um campo de concentração, juntamente com seu filho, o pequeno Giosuè. Guido é um homem simples, inteligente, espirituoso e possui um grande humor. Por ser um pai amoroso, consegue fazer com que seu filho acredite que ambos estão participando de um jogo, sem que o menino perceba o horror no qual estão inseridos. Como aprendi com esse filme, como chorei com esse filme!

A TRILHA: A trilha instrumental foi inteiramente composta pelo músico italiano Nicola Piovani. E vez por outra eu coloco para tocar, sou uma boba mesmo, mas choro sempre. Essa trilha me emociona ao cúmulo! Principalmente em Buon Giorno Principessa, ó… lágrimas já rolaram aqui.

 

 

01- O Fabuloso Destino de Amélie Poulain

download O FILME: Se eu fizesse uma lista de filmes que marcaram minha vida Amélie Poulain com toda certeza estaria nela. Amélie é uma moça reservada que um dia descobre uma caixinha em seu apartamento com tesouros de um antigo morador. E diferente do que você possa estar imaginando esse tesouro consiste em figurinhas antigas, bolas de gude e outras lembranças de um garotinho, nada de muito valor, a não ser o sentimental. Amélie decidi devolver a caixa ao seu antigo dono, que hoje já é um senhor. Sem mostrar sua identidade e moça arma um encontro com o senhor e devolve a caixa de maneira surpreendente e misteriosa. Ao ver a reação de alegria do homem Amélie decidi dedicar-se a ajudar pessoas a serem felizes com pequenas coisas. Esse filme me ensinou a valorizar os detalhes da vida, que a beleza encontra-se onde poucos estão dispostos a olhar.

A TRILHA: Yann Tiersen novamente! E caramba, como ele está genial! A trilha de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain me empolga, dá vontade de dançar, correr, rir e rodopiar sem parar. Quando ouço sinto minha alma dançar, é sério! É incrível como essas músicas mexem comigo, meu coração parece bater em outro ritmo, tudo me envolve e me eleva.

 

Por hoje é só pessoal! Nos vemos na próxima 😉

Me acompanhe pelas redes sociais: FACEBOOK / INSTAGRAM / SKOOB/YOUTUBE/PINTEREST