Solanin é um seinen escrito pelo autor Inio Asano, em dois volumes e publicado aqui no Brasil pela editora L&PM Pocket. O mangá foi nomeado para o prêmio Eisner Award de 2009 na categoria de Melhor Edição Americana de Material Internacional. 

A história narra o cotidiano de Meiko e Taneda, dois jovens por volta dos vinte e poucos, que se formaram na universidade há dois anos. O casal não compartilha apenas a casa, mas também todos os questionamentos internos e a falta de objetivos ou sentido real para a vida. Meiko é a protagonista, o que é bem diferente levando em conta o gênero seinen. Mas enfim… voltando, Meiko tem um emprego em um escritório onde passa boa parte do dia entediada e repensando sobre as suas escolhas profissionais. Meiko namora e dividi um apartamento aos arredores de Tóquio com Taneda, que trabalha como ilustrador de um jornal, ganhando muito pouco pelo serviço. Mas Taaneda é ambicioso, ele sonha ser um grande músico! Ele ainda mantém a sua antiga banda de faculdade e apesar de não serem famosos Taneda e seus dois amigos, que são integrantes da banda, sonham com o sucesso, dinheiro e um rumo para a vida.

O estopim é quando Meiko pede demissão do seu emprego e decidi dar um tempo para repensar sobre a sua vida. Taneda também acaba se questionando sobre suas próprias escolhas. Ele decidi então investir seu tempo e esforços para perseguir seu sonho: tentar viver de música. Libertos de suas rotinas e obrigações os dois se veem ainda mais cheios de incertezas e expectativas sobre onde a vida os levará. Juntos abraçam o futuro imprevisível e assustador com todas as forças. Até que um dia uma tragédia acaba mudando o rumo de suas vidas e de seus amigos, para sempre.

No fim das contas, eu era uma pessoa comum. Por causa disso, hesitei, sofri, mas sempre mantive um sorriso no rosto. Um dia o ser humano morre e desaparece, como se nada tivesse acontecido. E isso, bom, é natural. Sempre pensei que não tivesse medo de morrer… na verdade, ninguém tem medo da morte em si. A dor e o sofrimento da morte são instantâneos e logo somem. O que realmente me faz sofrer é imaginar, daqui dos confins da galáxia que você pode estar chorando aí por mim. Me perdoa. Por favor, não faz essa cara. Porque você fica bem mesmo sorrindo.

solanin

O enredo história parece clichê. Pelo menos foi isso que achei quando li Solanin pela primeira vez. Afinal o mangá fala sobre jovens, suas dúvidas e medos. Quantas vezes já não lemos sobre esse tema? Porém, acabei demorando até escrever essa resenha aqui no blog. Então senti a necessidade de reler para relembrar alguns pontos do mangá. E após a segunda leitura tive uma sensação diferente. Sim, a história ainda me parecia clichê, mas talvez pelo fato de a minha vida estar diferente em comparação à primeira vez que eu li, nessa segunda vez o clichê tocou diferente, mais intenso e representativo. Asano criou um slice of life (mangá sobre o cotidiano), envolvente e muito intenso para caber em apenas dois volumes. Mas apesar da série ser bem curta a quantidade não altera o resultado final. Os dois volumes conseguem trazer à tona toda a mensagem e sentimentos, sem perder a qualidade.

Por tratar de problemas comuns aos jovens a leitura acaba prendendo a atenção de quem está nessa fase cheia de dúvidas em relação à vida, escolhas e sonhos. Outro tema que também é abordado no mangá é a questão de as pessoas viverem apenas pensando na sobrevivência. Gastando tempo e esforços em busca de sucesso, seguindo regras sociais, aceitando trabalhar em qualquer lugar pelo dinheiro e deixando de lado seus desejos reais. Quem aí nunca sentiu isso? Quem nunca se questionou sobre o nosso propósito aqui na terra? Acho que todos nós já passamos por esses questionamentos, por isso Solanin acaba tornando-se tão representativo.

solanin

Ah, o leitor também deve levar em consideração a cultura e sociedade japonesa ao ler o mangá. A questão do trabalho e sucesso é ainda mais complicado devido à pressão que a sociedade desse país faz sobre as pessoas, onde todos devem ser bem sucedido nos negócios ou em seus empregos. Tanto que esse é um dos motivos para o alto índice de suicídio no Japão. Solanin acaba tornado-se, nesse contexto, uma crítica social aos formatos de sucesso e auto realização.

Em contrapartida o mangá também mostra o outro lado da moeda. Talvez os nossos sonhos sejam imaturos e talvez o que queremos não seja exatamente o que precisamos. Talvez… vai saber. Mas uma coisa é certa, nossas escolhas sempre acarretam em consequências futuras. Pode ser que dê certo, mas também pode ser que dê errado, ou qualquer outra direção inesperada entre o meio e o fim. Nunca saberemos se o amanhã chegará e qual é a real importância da nossa vida para as pessoas ao nosso redor. Porém chegará o dia que teremos que fazer nossas escolhas, e feitas todas as outras opções deixarão de existir. Esse parágrafo soou confuso? Pois é, a vida é confusa. Mas se você pensar bem há um sentido nisso tudo.

solanin

Essa cidade está transbordando de pessoas, e cada uma delas tem suas preocupações, grandes ou pequenas. Quantas delas realmente podem dizer que são felizes?

 

solanin

Solanin não é somente uma análise e crítica social, mas também um mangá que fala sobre amizade, sonhos, música indagações, sobre escolhas, sobre amar e seguir em frente. Já aviso que é um quadrinho triste. Que se arrasta no primeiro volume e tira uns suspiros no segundo. E apesar de não ser meu mangá favorito indico forte que todos vocês leiam.

Todos os meus enganos vão além dos céus. Esta vida é repleta só de adeus. O futuro, espiei por uma fresta qualquer e só achei mais adeus. Mesmo que essa frágil felicidade se arrastasse por mais tempo, a semente da maldade teria germinado. Por isso o certo é o adeus. Adeus também é uma saída. Fique bem, aonde quer que você vá. Adeus, eu também vou me virando. Adeus é o que eu vou fazer.

solanin

Com amor,

Hady