Há dias que sou uma bagunça, um desastre ambulante, tudo que toco vira pó. Há dias que penso em desistir, bate o desespero, o coração aperta e as lágrimas teimam em sair. Há dias que nada dá certo e eu não consigo ser forte o suficiente. Para esses dias há o auto amor, o auto agrado, fazer por mim mesma o que eu faria por uma amiga amada. Nesses dias o café da manhã é caprichado e as flores vão para a mesa. Nesses dias faço uma lista de motivos para agradecer, e por mais trivial que pareça, essas pequenas ações costumam ajudar. Se a gente não se ajudar, se a gente não se completar, se a gente não der o primeiro passo, quem vai? Há dias que sou feliz e triste sozinha, e são nesses dias que aprendo a lidar melhor com a pessoa que carregarei pelo resto da vida. Que pelo menos fiquemos em bons acordos.

Com amor,

Hady