DCIM100GOPROGOPR0221.JPG

Acordamos no topo do Camelo a 2.380 metros de altura. Depois da primeira noite na Travessia da Serra Fina estávamos tão animados para aproveitar cada minuto da experiência que nem ligamos para o frio da madrugada que formou uma camada de gelo nas barracas e no chão. Saímos dos nossos sacos de dormir aos pulos. Do lado de fora o vento estava de castigar, mas ver o nascer do dia nas montanhas valeu cada rajada na cara. O sol ainda não havia despontado, mas o céu estava clareando aos poucos criando uma atmosfera encantada. Tive a sensação de estar em um local sagrado. Me senti perto de Deus, perto do céu.

serrafina-vuou-2

Assim que o sol nasceu trocamos nossas roupas e começamos os preparos para começar a caminhada. Eu fui para o fogareiro para fazer o desjejum e meu pai foi desmontar a barraca. Depois de uma boa caneca de café quente, pão e frutas secas, colocamos todos os aparatos nas mochilas, fizemos uma oração e começamos a subida. Porque na Serra Fina é assim, subidas e mais subidas.

O frio deixando suas marcas na nossa barraca.

O frio deixando suas marcas na nossa barraca.

A subida até o Alto do Capim Amarelo é bem íngreme, pelo percurso tivemos que nos agarrar a cordas e escalar pelos barrancos escorregadios e molhados. O que dificultava eram as mochilas e nosso corpo ainda frio. Nota; preciso lembrar de me alongar antes das caminhadas. O legal é que todo mundo do grupo apoiava um ao outro e se alguém escorregava a gente se divertia, ria e seguia em frente.

Desmontando o acampamento para começar o segundo dia de caminhada.

Desmontando o acampamento para começar o segundo dia de caminhada.

Durante a travessia há topos mais altos do que outros, eles são como pontos de referência e alguns deles possuem uma caixa de metal com um caderno e caneta dentro. Esses cadernos são um marco para os trilheiros e montanhistas. Neles deixamos nossos nomes e a data do dia que passamos pelo local. A maioria de nós também deixou um pequeno texto ou frase sobre a sensação de estar fazendo a travessia.

serrafina-vuou-7

serafins-vuou-8

É como dizem, tudo que sobe também desce, o que valeu para o segundo dia de caminhada. Assim que chegamos ao topo do Alto do Capim Amarelo tivemos que enfrentar a nossa primeira descida. Porém não é só uma simples descida, caro leitor. É uma descida chata pra caramba! A vegetação dominante é de bamboos fininhos e cortante, que pinicam a pele, enroscam nas mochilas e machucam as mãos e o rosto. Por isso, é essencial usar blusas de manga comprida, luvas e cobrir a mochila com a capa de chuva para evitar que as partes sobressalentes prendam nos galhos compridos dos bamboos. Não é lá muito gosto andar entre essa vegetação, entretanto preciso ser sincera, ela domina a trilha! Então o melhor a se fazer é focar na meta do dia e passar por cima desses galhinhos malignos.

serrafina-vuou-9

No segundo dia é essencial que chegar na Cachoeira Vermelha para abastecer a reserva de água. Então não teve choro nem vela, tivemos que manter um bom ritmo de caminhada durante todo o dia para chegar a tempo nos pontos de acampamento para pegarmos os locais mais protegidos do vento para podermos passar a noite. O almoço foi bisnaguinha, queijo parmesão e frutas secas. Não tivemos tempo para paradas mais longas e nem para cozinharmos.

serrafina-vuou-7

Pela frente, adivinhem… subidas e mais subidas! Andamos pelas cristas das montanhas, que é minha parte favorita! Andar por um caminho estreito com apenas uma grande queda a cada lado deixa tudo mais emocionante e desafiante.

serrafina-vuou-10

Assim que nos aproximamos da Cachoeira Vermelha o terreno começou a ficar mais ameno. Como ainda estava cedo e tinha luz do dia decidimos andar um pouco mais até o Rio Claro, aos pés da Pedra da Mina. Montamos nossas barracas, abastecemos nossas garrafas e tomamos nosso banho de gato (hahahaha). Ao final desse dia fiz uma baita janta, com arroz e feijão e tudo! E novamente apareceu um ratinho enquanto eu preparava a janta. Só que esse era mais atrevido do que o outro e tentou entrar na minha sacola de mantimentos. Tive que praticamente tirar-lo com as mãos.

Satisfeitos entramos na barraca às 19:00 horas, muito cedo para dormir então para garantir tomei Dramin para cair logo no sono. Tudo parecia estar bem, porém mal sabíamos o perrengue que íamos passar durante a noite. O frio dessa vez foi cruel. Meu pai e eu tivemos a nossa pior noite, acordamos muitas vezes com frio e reclamando dos pés gelados e dores no corpo. Ainda bem que a noite não dura para sempre e assim que o dia começou a despontar agradecemos a Deus, estávamos ansiosos para colocar logo as botas nos pés e subir a Pedra da Mina. Ficar na barraca estava sofrido.

CONTINUA…

1ª parte da viagem