O título desse livro surgiu de uma maneira muito legal! A história foi mais ou menos assim: O Neil Gaiman estava dormindo e no meio de um sonho surgiu essa frase; “Acho… que prefiro me lembrar de uma vida desperdiçada com coisas frágeis, a uma vida gasta evitando a dívida moral.” Ele acordou e anotou, mesmo não sabendo o que significava ou a quem se aplicava essa tal frase. Oito anos se passaram.


O autor decidiu criar uma coletânea de contos com o título “Essas Pessoas Devem Saber Quem Somos e Contar Que Estivemos Aqui”. Neil Gaiman explicou que cada história dessa coletânea seria contada por vários narradores evasivos e pouco confiáveis, à medida que cada um deles explicasse sua vida, eles iriam contar quem eram e que certa vez, também estiveram aqui. Uma dúzia de pessoas, uma dúzia de histórias. Essa era a ideia inicial. Mas no final das contas ele começou a escrever e o livro tomou outros rumos. No momento de coletar o material para o livro, Gaiman começou a ponderar como deveria chamá-lo, uma vez que o antigo título não parecia servir mais. Foi então que ele recebeu o CD As Smart as We Are, do One Ring Zero, e ouviu uma frase que o fez lembrar do sonho, “coisas frágeis”.

Parecia um belo título para um livro de contos. Afinal, existem tantas coisas frágeis. Pessoas se despedaçam tão facilmente, sonhos e corações também. – Neil Gaiman

São noves conto que abordam os mais diversos temas. Misturando clássicos da literatura, com punk, rock, terror estilo H. P. Lovecraft, bebendo um pouco de Matrix, e todo esse universo fantasioso que é tão característico da escrita do Neil Gaiman.

É uma loucura ao bom estilo Gaiman? Óbvio. É fantasia de qualidade? Sim. Você gostou? Bem…Vamos lá para a considerações.

Eu esperava muito desse livro! Neil Gaiman é um dos maiores escritores de ficção em atividade, reconhecido pelos seus romances e trabalho em quadrinhos. Minha expectativa é grande toda vez que abro um dos seus livros. Talvez esse tenha sido o grande problema 🙁 O livro não é necessariamente ruim, Neil Gaiman mostra que seu talento como contador de histórias também funciona em narrativas mais curtas. Mas infelizmente eu não me empolguei tanto com os contos. O autor usa muitas referências, ele bebeu de muitas obras literárias e cinematográficas. O que não vejo muito problema, até porque todos nós nos inspiramos em pessoas e obras que admiramos. Neil Gaiman explica na introdução como ele criou cada conto, e quais foram as inspirações, o que achei muito legal. Mas para mim, que já tinha lido as obras originais, alguns contos escritos por ele não soaram tão bons.

Neil Gaiman é um grande escritor, os contos são muito bem escritos e é incrível como a imaginação desse cara é fértil! Não estou firmando meu ponto de vista em nenhuma teoria literária. É totalmente pessoal. Então se você gosta de Neil Gaiman e tem vontade de ler Coisas Frágeis, eu só posso dizer “Vai em frente”. Se fosse algo realmente ruim eu diria, NÃO LEIA. Mas, não é esse o caso. Só estou sendo sincera porque essa é a ideia de compartilhar minhas leituras aqui no blog, expressar meu ponto de vista.

Acontece, nem todos os livros me conquistam. Mas deem uma chance aos contos, e depois me contem o que acharam. Feito? 😉

Título: Coisas Frágeis

Autor: Neil Gaiman

Ano da edição: 2008

Editora: Conrad

Número de páginas: 200 páginas

ISBN: 978-8576164043

Minha nota para o livro: 3/5

Me acompanhe pelas redes sociais: FACEBOOK / INSTAGRAM/SKOOB/YOUTUBE/PINTEREST