Category

Literatura

Literatura Simplicidade

Lições que aprendi com Thoreau

Walden, ou Vida nos Bosques, foi um livro divisor de águas na minha vida. Quando o li ano passado eu estava numa fase conturbada, fim de faculdade, decisões para tomar e pouca vontade de viver correspondendo às expectativas dos outros ao invés de seguir meus instintos. Vocês podem imaginar.

Thoreau tornou-se um parceiro de ideais, um autor que me fez entender minhas vontades e perceber que não é loucura querer uma vida simples, está certo que precisa de uma certa dose de coragem, mas não é algo impossível. Desde então reli diversas vezes o livro e apesar de não seguir todas as ideias de Thoreau, até porque acredito que preciso ter minhas próprias ideias, decidi compartilhar com vocês as principais lições que aprendi com esse cara que decidiu largar tudo para viver nos bosques de uma maneira simples e provar a natureza no seu estado mais puro.

“Conhece-te a ti mesmo”. Para isso se necessita visão e coragem.

blogvuou_livro_thoreau_4

NÃO FUJA DA VIDA, ENFRENTE! 

Refugia-te debaixo das nuvens, enquanto os outros fogem para os carros e abrigos. Ganhar a vida não seja o teu ofício, mas o teu esporte. Desfruta a terra, porém sem possuí-la. Por falta de fé e iniciativa, os homens estão onde estão, comprando e vendendo, desperdiçando a vida com escravos.

Desde muito cedo aprendemos que na vida as pessoas possuem expectativas sobre nós, e que precisamos corresponder a elas. E quanto mais corremos atrás disso mais frustrados ficamos. Podemos até ganhar dinheiro, sermos famosos e bem-sucedidos nos nossos trabalhos, mas se não fizermos isso por pura vontade e amor de nada adianta. Aprendi com Thoreau que enquanto a maioria corre para se abrigar nas asas do conforto e dos sistema eu devo me atrever a correr contra a maré, que preciso enfrentar a tempestade debaixo das nuvens. Que o meu trabalho deve ser feito com alegria e não apenas como uma forma de sobrevivência. De nada adianta ter o melhor salário do mundo e ser frustrado. O valor das coisas não se conta apenas pelo dinheiro que se ganha. Você pode até ter um trabalho que ganhe menos, mas se você gostar do que faz e conseguir manter-se tendo uma vida digna é o que importa. Conte como um valor, felicidade interna bruta hahaha.

VOCÊ É E SERÁ AQUILO QUE CONSTRUIR

Todo homem é o construtor de um templo, que é o seu corpo, para o deus a que adora; e segue um estilo puramente seu, não podendo desincumbir-se martelando o mármore em vez de si mesmo. Somos todos escultores e pintores, e o material é nossa própria carne, sangue e ossos.

Todos nós sabemos que somos feitos de escolhas, então saiba aproveitar para fazer as melhores escolhas. Cuide do seu corpo da melhor maneira que puder, cuide daquilo que você come, faça exercícios físicos, e evite coisas que todos nós sabemos que não fazem bem, vícios e falta de cuidados com a saúde. Um dia vamos colher os frutos das nossas escolhas. Cuide também do seu espiritual e intelectual. Acredite em algo e tenha fé. Mantenha sua mente ativa, aprenda coisas novas e não fuja das experiências, enfrente você mesmo, seus medos e traumas. Seremos sempre uma caixa de surpresas, mas quanto melhor nos conhecermos melhor poderemos entender a nós e o universo em volta.

O que um homem pensa de si, eis o que determina, ou pelo menos indica o seu destino.

TENHA UMA VIDA SIMPLES

A vida é mais deliciosa no que é mais íntima. Estais a salvo de vos tornar pessoas frívolas. O homem jamais perde num nível inferior por magnanimidade num superior. Riqueza supérflua pode comprar apenas supérfluos. Não é preciso dinheiro para se comprar o indispensável à alma.

Thoreau era até meio extremista no sentido de levar um estilo de vida simples, e apesar de não achar que tudo que ele escreveu seja viável atualmente, até por que ele viveu de 1817 a 1862 numa época totalmente diferente da nossa, acredito que a essência de suas ideias de vida simples são muito boas. Não precisamos ter tudo que a indústria “diz que precisamos adquirir”, e sendo uma publicitária sei bem o que isso significa. Ter uma vida simples para mim é trocar os valores, ao invés de dar importância a bens materiais é importante dar preferência às pessoas e experiências. Não estou dizendo que precisamos largar tudo, aparelhos eletrônicos, livros, roupas, etc, mas sim reduzir aquilo que é desnecessário e levar uma vida onde a qualidade seja mais importante do que a quantidade. Não sou romântica a ponto de dizer que estou fora do sistema, não estou, mas gosto de saber que estou estou consciente disso e que tenho minhas indagações e pontos de vista e que não aceito tudo com um amém.

blogvuou_livro_thoreau_2

PENSE POR SI MESMO

Não resta dúvida de que outra pessoa pode pensar por mim, mas nem por isso é desejável que o faça, impedindo-me de pensar por mim mesmo.

Talvez a situação mais delicada na vida de uma pessoa seja dizer aos pais, amigos, familiares, que ela não pode seguir aquilo que eles querem. Vivemos na sombra das expectativas alheias, mas isso não é bom. Você não pode seguir uma vida planejada por outra pessoa, pensar a partir das ideias dos outros. Seja corajoso em tomar suas decisões e arcar com as consequências. Nossos pais, por exemplo, é certo que colocam algumas expectativas sobre nós, e a maioria das vezes é por amor, por cuidado e não podemos culpá-los. Mas saiba até que ponto eles vão interferir na sua vida. Sempre levei à sério as opiniões dos meus pais, e ainda hoje sou uma filha obediente, mas sei que há certas escolhas que são minhas e de ninguém mais.

ENCONTRE FELICIDADE NAS COISAS INTANGÍVEIS

Se o dia e a noite são de tal natureza que vós os saudais com alegria, se a vida emite uma fragrância de flores e ervas aromáticas e se torna mais elástica, mais cintilante e mais imortal- eis aí vosso êxito. A natureza inteira é vossa congratulação e tende motivos para bendizer-vos. Os maiores lucros e valores estão ainda mias longe de serem apreciados. Chegamos facilmente a duvidar que existam. Logo os esquecemos. Constituem, entretanto, a realidade mais elevada. Talvez os fatos mais estarrecedores e verdadeiros nunca sejam comunicados de homem para homem. A verdadeira colheita do meu dia-a-dia é algo tão intangível e indiscritível como os matizes da aurora e do crepúsculo. O que tenho nas mãos é um pouco de poeira de estrelas e um fragmento do arco-íris.

Concordo plenamente com Thoreau, encontro a felicidade onde poucas pessoas pensam em buscar, na natureza. Ontem mesmo eu estava andando em um pasto perto de uma mata aqui em casa, precisava colocar a cabeça em ordem, e sentada no meio do mato vi um veado-campeiro se aproximar. Foi uma das coisas mais legais que me aconteceram na vida! Custei a acreditar que aquilo estava realmente acontecendo, qual a probalidade? Algo selvagem e livre estava a menos de 6 metros de mim, e eu podia sentir a beleza da natureza intacta em seu estado bruto. O que eu tinha além de um sentimento? Mas não importa, a minha felicidade era pura. Como diria Drummond “as coisas intangíveis, muito mais que lindas, essas ficarão.” Meu punhado de felicidade está em ver um passarinho voando, no som do vento ao bater nos galhos de uma árvore, no cheiro da terra depois da chuva, sou filha da natureza.

blogvuou_livro_thoreau_3

Poderia passar horas falando sobre Thoreau, mas acho que o post já está grandinho, quem sabe eu volte a comentar mais sobre o livro em textos futuros. Então até a próxima pessoal! Espero que vocês possam encarar a vida com coragem, simplicidade e que suas escolhas gerem ótimos frutos. E para finalizar deixo um dos meus pensamento favorito da obra.

Rather than love, than money, than fame, give me truth. I sat at a table where were rich food and wine in abundance, and obsequious attendance, but sincerity and truth were not; and I went away hungry from the inhospitable board.

“Mais que o amor, que o dinheiro, que a fama, dai-me a verdade. Sentei-me a certa mesa onde a comida era fina, os vinhos abundantes e o serviço impecável, mas faltava sinceridade e verdade, e fui-me embora do recinto inóspito sentido fome”.

Por favor não vamos viver a vida como uma mesa farta mas que não sacia. Vamos alimentar nossas almas, vamos lutar pelas nossas verdades, antes que passemos pela vida sem termos realmente vivido.

Literatura

Mestre Gil de Ham – J.R.R Tolkien

Semana passada o correio trouxe um pacote de livros, para a minha alegria! E um deles foi “Mestre Gil de Ham” do autor J.R.R Tolkien. Abri a encomenda enquanto esperava o ônibus chegar, o dia estava nublado e as primeiras gotas de chuva estavam caindo do céu, o melhor tempo para ler histórias fantásticas! Não sei quanto a vocês, mas dias nublados na minha opinião são perfeitos para ler, assistir filmes e viajar em histórias de fantasia, lugares remotos, dragões e seres mágicos. Quando cheguei em casa já estava quase pela metade do livro, com apenas 102 página não foi algo tão difícil.

Como O Hobbit, Mestre Gil de Ham foi escrito por Tolkien para entreter seus filhos, mas a história acabou tomando proporções sofisticadas e acabou virando um livro! A história é ambientada no vale do Tâmisa, na Inglaterra, num passado muito distante, quando ainda existiam dragões, gigantes, cães falantes e o país todo era dividido em pequenos reinos. O herói dessa história é Mestre Gil, que na verdade é um simples fazendeiro, não muito corajoso, mas que por sorte (ou azar) do destino acaba tornando-se um cavaleiro do rei. Com a ajuda de seu cachorro Garm, da égua cinzenta e da espada mágica Caudimordax (conhecida também como Morde-causa) Mestre Gil partirá em busca do dragão Chrysophylax para reclamar uma grande quantia de tesouro. Com essa aventura Mestre Gil encontrará sua coragem e ganhará muito mais do que imaginou.

blogvuou_livro_mestregildeham_3

blogvuou_livro_mestregildeham_2
blogvuou_livro_mestregildeham_4

Esse resumo lembra algo? Pois é! Acho que Tolkien tem uma queda para escrever histórias de personagens “simples” que acabam partindo para uma aventura, e mesmo não sendo muito corajosos acabam encontrando o valor de um grande herói dentro de si mesmos. Não vou dizer que Tolkien ficou chovendo no molhado com esse livro, comparando com outras histórias, mas encontrei muitas semelhanças. Mas mesmo assim, indico a leitura! O livro é super rapidinho, dá para ler em um dia bem de boa. Então se vocês estão interessados em uma boa história de aventura alá ao estilo de Tolkien aproveitem porque vale à pena!

O trabalho do outono e do início do inverno corria bem. Tudo parecia perfeito – Até a chegada do dragão.

Ficha do Livro

Título: Mestre Gil de Ham

Autor: J. R. R. Tolkien

Editora: WMF Martins Fontes Ltda.

ISBN: 978-85-7827-577-8

Número de páginas: 102 páginas

Minha nota para o livro: 4/5

 

You may also like
Literatura
Resenha: Solanin – Inio Asano
4 de dezembro de 2017
Literatura
Destination Simple – rituais diários para uma vida com mais calma
17 de novembro de 2017
Literatura
Em Algum Lugar nas Estrelas (Clare Vanderpool)
20 de julho de 2017
Literatura

Caninos Brancos – Jack London

Desde que li “Walden, Vida nos Bosques” de Thoreau, fiquei fascinada por narrativas que trazem a natureza como ambiente principal, o selvagem como centro da história. Está certo que Walden é mais um relato autobiográfico, mas foi à partir dele que busquei autores que escrevessem aventuras em ambientes selvagens. E não há como separar histórias de aventuras na natureza de Jack London.

Caninos Brancos foi meu primeiro livro do autor e só posso dizer que me apaixonei do começo ao fim da leitura, fiquei vidrada! Achei de uma maestria enorme London conseguir escrever um romance tendo como personagem principal um lobo.

vuou_caninosbrancos_4

Caninos Brancos é uma história de aventura centrada na jornada de um herói canino desde sua origem primitiva nas florestas nevadas até conhecer seres humanos e o mundo civilizado, a selvageria da domesticação, a batalha contra outros cães, seus instintos naturais, submissão ao homem, o ódio ao homem e finalmente o amor ao seu homem. A brutalidade constante da narrativa, como a maioria das obras de London, descreve uma visão de mundo materialista e científiica, em que a lei do mais forte e a pureza ancestral da violência entre os seres vivos prevalecem.vuou_caninosbrancos_5

O ambiente criado por London é de uma qualidade e riqueza inacreditáveis. Todos os pormenores da vida selvagem são descritos minuciosamente. A floresta torna-se um palco habitado por bestas selvagens, seres ferozes em que reina a dança dos extremos e a voz dos extintos. London, além de expor esse ambiente tão rico e bem escrito, consegue nos cativar com Caninos Brancos. Fiquei apegado ao personagem e sua história, desde que empreende uma viagem entre os dois tipos de idealização do cão, o mito do lobo selvagem à figura do cachorro doméstico. São extremos narrados de maneira extrema. Caninos Brancos que retirado de seu ambiente natural vê seu mundo e força entregues à homens a quem considera deuses. Passando pelas mãos de “deuses” tiranos e malignos que o fazem sentir o ódio que vai além de seus espírito selvagem, a morte em seus dentes a fúria em seus pensamentos. Até que descobre Weedon Scott, um bom homem que o salva de uma roda de luta de cães. Scott mostra um lado desconhecido, um deus justo e bondoso. Caninos Brancos torna-se um lobo dócil e domesticado, finalmente encontrando um deus a quem amar e devotar sua vida.

vuou_caninosbrancos_3

Há uma certa antropomorfização no personagem principal, o autor atribuí a Caninos Brancos qualidades humanas, sentimentos humanos. Entramos na mente do lobo de London e vemos que ele raciocina e sente como um ser humano, mesmo com os extintos e ações de um lobo selvagem. Como envolver um leitor até o fim da história? Atribua-lhe características humanas. Funciona! O que mais gostei na obra foi essa descrição de Caninos Brancos, seus sentimentos interiores associados à psicologia humana.

vuou_caninosbrancos_2

Para mim essa leitura foi uma indireta aos homens “civilizados”. Estamos sujeitos aos nossos impulsos ancestrais, mas mesmo assim nossa liberdade pode ser facilmente comprometida quando nos deparamos com a dor, ameaça e submissão. O sistema como um grande deus tirano oprimindo nosso chamado natural e domando-nos.

blogvuou_jacklondon

Indico a leitura a todos. Principalmente para quem ama a natureza, animais e que busca aventuras. Esse livro também é uma análise naturalista da sociedade da época de London e que ainda pode ser aplicada aos dias de hoje. Muito bom, um dos meus favoritos!

 

You may also like
Literatura
Resenha: Solanin – Inio Asano
4 de dezembro de 2017
Literatura
Destination Simple – rituais diários para uma vida com mais calma
17 de novembro de 2017
Literatura
Em Algum Lugar nas Estrelas (Clare Vanderpool)
20 de julho de 2017
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Dragonologia, o livro completo dos dragões
Literatura

Dragonologia, o livro completo dos dragões

Adoro sebos! Aquelas pilhas desorganizadas de livros, exemplares antigos e milhares de opções de temas. Sim, um paraíso! Apesar de estar tentando reduzir meu consumo de livros para poder ler os títulos que já tenho e que estão parados na estante, acabei não resistindo a esse livro de Dragonologia.

livros dos dragões 1

Recentemente passei um mês em São Paulo por conta de um trabalho, por isso fiquei meio sumida aqui do VUOU. Como a rotina estava toda diferente e ainda mais morando na cidade grande e seguindo novos horários ficou meio difícil acompanhar o blog de perto. Mas uma coisa boa foi que no final do dia eu estava tão cansada de ficar na frente do computador que acabei me dedicando mais à leitura no período da noite, a parte ruim foi que logo na primeira semana eu já havia terminado o livro que tinha trazido de casa.

livros dos dragões 20

Mas para minha alegria acabei descobrindo um sebo bem no caminho que eu fazia para pegar condução pro trabalho. E um dia decidi entrar e ver o que tinha de bom. Saí de lá com um livro do Jack London, três do Júlio Verne, um livro sobre as invenções de Galileu Galilei, um de animais do Brasil que comprei para a Eliza, e um sobre dragões. E agora vocês devem estar se perguntando por que diacho de vida eu decidi comprar um livro de dragões. Perguntei a mesma coisa depois que cheguei no apartamento e me vi com um livro de seres que nem existem hahahahaha. Mas dane-se! Eu gosto de dragões, tenho uma queda enorme por eles! Desde pirralha quando assistia na Sessão da Tarde aquele filme chamado Coração de Dragão. Eu só não fico espalhando isso por aí, mas agora vocês já sabem hahahaha. E toda essa nostalgia veio à tona quando encontrei esse livro numa pilha no chão. Além de a arte ser perfeita! E essa foi uma das razões de eu ter comprado. Os desenhos, detalhes e maneira de interação são de encantar qualquer um. Parece um velho livro de magia. Resumidamente o livro fala sobre a arte de Dragonologia, que é um estudo sobre os dragões, desde sua formação, as diversas espécies, hábitos alimentares, poções e feitiços e essas coisas que seriam muito legais se realmente existissem.

Mas a pessoa que mais gostou desse livro foi a Eliza! É muito engraçado ler com ela, nós duas nos divertimos juntas. No final das contas esse livro acabou virando mais dela do que meu.

livros dos dragões 17

livros dos dragões 16

livros dos dragões 15

livros dos dragões 14

livros dos dragões 13

livros dos dragões 12

livros dos dragões 11

livros dos dragões 10

livros dos dragões 9

livros dos dragões 8

livros dos dragões 7

livros dos dragões 6

livros dos dragões 5

livros dos dragões 4

livros dos dragões 3

k

 

You may also like
Literatura
Resenha: Solanin – Inio Asano
4 de dezembro de 2017
Literatura
Destination Simple – rituais diários para uma vida com mais calma
17 de novembro de 2017
Literatura
Em Algum Lugar nas Estrelas (Clare Vanderpool)
20 de julho de 2017
Literatura

Vi esse livro em um sebo e lembrei de você

As pessoas costumam me surpreender com uma certa regularidade, e sou muito grata a Deus por isso. Ainda mais quando alguém me surpreende com um ato bondoso, porque infelizmente nem sempre somos surpreendidos de uma maneira positiva. Mas quando acontece de pessoas boas cruzarem o meu caminho sinto que o mundo ainda é bom apesar das dificuldade, que ainda tem muita gente de coração gentil por aí. É uma dose de fé direto na veia.

Continue reading

You may also like
Literatura
Resenha: Solanin – Inio Asano
4 de dezembro de 2017
Literatura
Destination Simple – rituais diários para uma vida com mais calma
17 de novembro de 2017
Literatura
Em Algum Lugar nas Estrelas (Clare Vanderpool)
20 de julho de 2017
Close