Comida

Dia de Feira

Confesso que nunca havia parado para pensar em sustentabilidade. Tá certo que sempre ouvimos sobre a necessidade de reciclar, a importância de gerar menos lixo, e que é preciso poupar os recursos naturais, etc. Mas ser-humano é burro mesmo! Foi só a chuva parar de cair e a água começar a faltar que me vi toda preocupada com a tal da sustentabilidade e o meu papel no processo de degradação do planeta.

Péra, eu não estou querendo bancar a salvadora do mundo e dizer que temos que mudar as nossas práticas porque ainda dá tempo de reverter o processo. Sinceramente? Acho que não tem mais jeito, a coisa é daqui pra pior. Mas quando eu parei para analisar minhas atitudes percebi que eu precisava mudar, e não pela ideia romântica de, sei lá… fechar alguns buracos na camada de ozônio porque diminuí minha produção de lixo. Na verdade decidi optar por viver uma vida mais sustentável por descargo de consciência. Eu fico incomodada com alguns costumes que tenho, como a quantia de lixo que eu e minha família produzimos todos os dias, a água que gasto nos meus banhos e pensar que podíamos estar poupando ao invés de estar gastando os recursos naturais de maneira inconsequente. Uma andorinha só não faz verão, já diz o ditado, mas caí na real que eu não preciso continuar agindo dessa maneira só porque não posso resolver todos problemas do mundo. Que não é legal sentar no sofá e pensar que só porque não podemos reverter as coisas não precisamos nos incomodar e mudar nossas atitudes. Vou fazer minha parte. Como dizem, ficar de boa comigo mesma e de quebra colaborar com uma parcela de pessoas, mesmo que pequena, que se preocupa em reduzir os efeitos da nossa burrada.

O legal é que minha mãe também anda pensando no assunto e acho que esse é um bom começo para colocarmos algumas coisas em ordem aqui em casa e tentar viver uma vida mais sustentável. E eu gostaria de compartilhar essas mudanças aqui no meu blog.

E para começar vou falar sobre comida. Isso mesmo! Uma coisa tão boa, mas que é tão desperdiçada.

Nunca tinho ido ao CEASA e ontem foi meu primeiro dia na feira de abastecimento. Onde eu moro não tem essas coisas, Pinhalzinho é uma cidade muito  pequena, então foi preciso ir com minha mãe e irmã a até a cidade vizinha, Bragança Paulista. Eu não sei quantos aqui já foram à feiras de bairro ou até quem sabe ao CEASA, mas se você ainda não foi eu super indico. Sempre gostei de gastronomia e estar numa feira daquele tamanho com uma porção de opções de legumes, verduras e frutas foi uma delícia! Tudo fresquinho e comprado direto do produtor. Essa é uma boa opção para quem quer alimentos de qualidades, e o legal é que muitos produtores não utilizam agrotóxicos na lavoura. Isso mesmo, os famosos orgânicos que fazem uma diferença enorme na sua saúde e ainda por cima não prejudicam o solo com os venenos usados nas plantações.

Minha mãe fez a feira, literalmente! Voltamos para casa com uma porção de coisas gostosas e nutritivas. O bom é que dessa maneira poupamos um pouco mais do meio ambiente. Por exemplo, quase todas as frutas e legumes são colocados em caixas de madeira, não sendo necessário o uso de sacos plásticos. E a caixa de madeira nós reutilizamos de diversas maneiras. Minha mãe também comprou bastante tomate para fazer compotas de molho. Aqui em casa raramente compramos molho de tomate, evitando o lixo produzido pelas embalagens, já que reutilizamos potes de vidro de outros produtos, como azeitona e palmito, para estocar o molho de tomate caseiro.

Sim, dá um pouco mais de trabalho. Mas a facilidade custa até mais caro. Imagina quantas latinhas e pacotes já jogamos durante a nossa vida? Tem como reduzir, isso é um fato.

Vou compartilhar algumas dicas, que estou tentando seguir, para reduzir o lixo e desperdício causado pela nossa alimentação.

1-) Evite produtos industrializados: Além de fazerem mal para a saúde, toda a tranquerada que a gente come por aí acaba gerando muito lixo. Eu não estou dizendo para viver 100% livre dos industrializados ( o que não é impossível, há que pessoas que conseguem, como essa moça aqui), só acho que na hora da compra é preciso analisar e estabelecer prioridades. Dá sim para evitar as tentações nas gondolas. É preciso força! Que nem quando eu decidi não comprar jujubas porque além de não serem tão saudáveis elas estavam todas empacotadas em um monte de plástico. Nunca mais vou comer jujubas ou não comprar industrializados? Bem, vou ser sincera. Provavelmente eu compre. Mas vou tentar evitar e reduzir ao máximo!

2-) Prepare só o que você for realmente comer: A maioria do desperdício vem das sobras de comida. Só no Brasil são desperdiçadas 39 000 toneladas de comida aproveitável todos os dias! Com essa quantia dá para alimentar 19 milhões de pessoas com café da manhã, almoço e jantar. E você pode estar se perguntando, “ok, mas o que é isso comparado às minhas míseras sobrinhas?” Eu já morei num colégio interno e lá vi muito desperdício, eu mesma colaborava com ele todos os dias quando colocava mais do que poderia comer só porque o meu olho era maior que a barriga. E isso me incomodava muito. Acredito que pensar de maneira sustentável é colocar no prato só que o que vai comer, preparar a comida na quantia exata para saciar a galera e se houver sobras, bem… ninguém vai morrer se colocar o feijão pra esquentar de novo né?

3-) Compre alimentos direto dos produtores: Essa é uma boa maneira de incentivar o trabalho dos produtores rurais e ainda por cima o alimento vem mais fresco para a mesa. Muitos deles não são embalados ou passam por esses processos industriais que gastam água e só produzem lixo extra.

4-) Faça em casa: Concordo que é gostoso ir para restaurantes, mas a maioria dos estabelecimentos joga uma quantidade exorbitante de alimentos no lixo. Que tal diminuir as idas a restaurantes e fast foods, e experimentar preparar jantares em casa? Slow food tá na moda (hahahahaha) já pensou em tentar?

5-) Reduza o consumo de carne: Eu sou vegetariana, então esse não é um problema, mas achei legal colocar aqui. Para produzir a carne que os brasileiros consomem milhares de alqueires de mata são devastados, milhões de litros são gastos durante a vida do bovino e depois na hora do corte. Além da emissão de gás metano, compactação e desertificação do solo e geração de resíduos. Eu não quero te convencer a virar vegetariano, só estou dizendo que reduzir o consumo de carne é algo a se pensar.

6-) Tenha uma horta: A coisa mais legal do mundo é ter um cantinho onde possa plantar seu próprio alimento. Como eu moro em um sítio fica bem mais fácil porque aqui o que não falta é terra. Mas se você mora em um lugar pequeno ou na cidade é possível fazer uma pequena horta para temperos. Vale à pena tentar.

Bem, essas são algumas ações que estou tentando praticar no meu cotidiano. Como eu disse, não dá para mudar a mentalidade de desperdício da maioria das pessoas, mas dá para mudar a nossa. E sinceramente é muito bom sentar na mesa e comer uma comida caseira, fresquinha, feita de maneira sustentável e saber que estou fazendo a minha parte pelo o que restou da natureza.

Ainda tenho muito que aprender, mas está sendo divertido questionar meu hábitos de consumo e fazer algumas mudanças na minha rotina.

E você, tem alguma dica ou ideia sustentável que queira compartilhar?

Um grande abraço e até a próxima!