vuou-hadassahsorvillo-24jul2017
Cotidiano

Cansei do meu blog, um desabafo.

Meses atrás desabafei aqui no VUOU que eu tinha cansado. Cansado de publicar fotos, fazer vídeos, escrever. Principalmente escrever. Algo que me deixou triste, porque eu amo escrever. Deixar de escrever é como tirar um pedaço do meu corpo, é como fingir algo que eu não sou. Mas na real eu estava sem desejo. Pensei em desistir do blog.

Porém, antes de tomar essa decisão com cabeça quente, decidi fazer uma pesquisa para saber a opinião dos leitores. Fiz a pesquisa e deixei-a aberta para quem quisesse dar sugestões. Para a minha surpresa recebi uma boa quantidade de respostas que me fizeram relembrar a Hadassah de 9 anos atrás. A Hadassah tímida, com inseguranças (ainda mais inseguranças), que precisava extravasar suas ideias de alguma maneira e que decidiu montar um blog chamado Utopia. Do Utopia para o Senhorita Inconstante, onde tomei gosto real pela coisa, e agora o VUOU, nove anos se passaram. Mudei tanto que tenho certeza que se eu revisasse minhas antigas postagens sentiria uma ponta de vergonha pelo o que escrevi e fotografei, mas por outro lado acredito que preciso ter paciência comigo mesma. Aceitar minhas fases, todas elas, com a calma de saber que estou em constante mutação. Que errei, mas também acertei, e vou continuar errando enquanto tento acertar. E está tudo bem.

O cafezinho nosso de cada dia

O cafezinho nosso de cada dia, que no meu caso não vem da Starbucks, apesar do copo.

Tanta coisa mudou no universo dos blogs. Nossos diários online se tornaram rentáveis, máquinas de fazer celebridades, evoluíram ganhando outras redes sociais e formatos. E hoje em dia ser uma web celebridade virou meta de vida de muitas pessoas. Sem falar nos youtubers. Sem problemas com isso, sei que o mundo evoluí, tendências surgem e novas gerações despontam. Mas sinto falta dos blogueiros old school. Daquelas pessoas que criam conteúdos só por diversão, necessidade ou seja lá qual for a motivação, menos trabalho. E olha que eu trabalho com isso! Eu crio conteúdos para me sustentar, e talvez seja exatamente por esse motivo que eu cansei de postar aqui no VUOU. Saturou, sabe? Todas aquelas fórmulas e maneiras certas e erradas de fazer um blog.

Ao ler as mensagens que os leitores deixaram na pesquisa eu percebi que no decorrer desses anos fui esquecendo aos poucos a principal razão de eu ter entrado no universo de blogs, e com isso aos poucos perdendo minha essência. Não quero voltar a ser a mesma pessoas de nove anos atrás. Errando com os meus antigos blogs aprendi que preciso me preservar, não me expor além do necessário na internet, que preciso aprender a lidar com as opiniões alheias com mais serenidade e que a vida não é tão dramática quanto eu desenhava. Hoje o VUOU é um pouco dessa minha cautela, calma e busca pela simplicidade, mas sinto que preciso resgatar um pouco da Hadassah do passado. Não a Hadassah inexperiente, cheia de verdades, dramática e até um pouco fútil. Mas aquela Hadassah que estava apenas querendo se divertir com o seu diário virtual. Preciso encarar o VUOU como meu espaço para fugir um pouco da realidade maçante, um espaço para me expressar através dos meus textos e fotos, um espaço para compartilhar meus gostos e ideias, um local para organizar um pedaço da minha vida como eu quero, com as minhas regras. Preciso parar de pensar em tornar esse blog em algo somente interessante para os outros, com regras dos outros e no formato dos outros!

Li em algum lugar que o pior erro que podemos cometer é tentar agradar todo mundo.

Por exemplo, esse desabafo. Quem vai ler? Quem tem interesse de ler esse texto na correria do dia a dia? Não sei. Talvez ninguém. E quer saber? F*d*-se! Vou publicar, porque me deu vontade! Esse blog é meu, e se não agradar alguém, blz! Há milhões de outros blogs por aí para serem visitados e venerados. Hoje, para mim, se tem alguém que precisa amar o VUOU primeiro, esse alguém precisa ser eu.

diariovuou_2

Gosto de entrar em livrarias mesmo sem a intenção de comprar. Só para admirar as edições caprichadas e as prateleiras abarrotadas. Gosto de pegar livros aleatórios, abri-los e sentir o cheiro das páginas.

Claro que as opiniões de vocês, meus caros leitores, também são importantes e eu levo isso em consideração. Tanto que sempre estou perguntando o que vocês acham dos conteúdos e se gostariam de dar sugestões. Mas hoje me caiu a ficha que preciso parar de analisar o VUOU através da quantidade de acessos nas publicações, a quantidade de visitantes únicos e dos likes. Não sou blogueira. Por acaso tenho um blog, por acaso escrevo na internet, mas aviso que é por gosto, por terapia. Isso daqui é prazer!

Muitos dos conteúdos vão continuar iguais, até porque gosto de fazê-los, mas em contra partida vou experimentar e me divertir mais por aqui! Vou deixar as regras, planilhas e metas para o trabalho. Preciso exigir menos de mim mesma.

O VUOU não está aqui para ser perfeito, super relevante ou bem produzido. Ele está mais para um meio de auto expressão de uma jovem de 25 anos ridiculamente normal, não tão esperta quanto gostaria, repleta de dúvidas, inseguranças, sonhos engavetados, horas extras no trabalho, doses altas de café, manias chatas, começo de rabugentice, olheiras profundas, risadas inesperadas, suspiros incontroláveis, batidas do dedão do pé em quinas de armários, rejeições doloridas, conquistas deliciosas, surtos de coragem, medos permanentes, filosofias rasas após algumas taças de vinho, clichês constrangedores e tudo mais que vem no pacote. Não sou tudo aquilo que eu espero de mim mesma. E muito provavelmente eu não seja tudo aquilo que vocês pensam. Lidemos com isso.

Aceito-me, ou pelo menos insisto em tentar.

Com amor,

Hady

 

You may also like
Gastronomia
Meus rumos na gastronomia
14 de outubro de 2017
Cotidiano
Menininha não cresça mais não
14 de setembro de 2017
Cotidiano
Segura esse rojão
4 de setembro de 2017
vuou-hadassahsorvillo
Cotidiano

Não muito, nem pouco.

Hoje acordei me sentindo extremamente egoísta. Deitada na cama fiquei pensando nas desculpas que dei para as pessoas que eu amo. Desculpas para não conversar um minuto a mais pelo telefone, para não mandar uma mensagem dizendo um simples olá ou o tempo que gastei dentro de uma sala trabalhando ao invés de estar com que eu queria estar. Aos poucos essa rotina está ficando confortável. Eu trabalho até tarde, estudo, durmo um bocado aos sábados, tomo uma caneca de café reforçado e volto a trabalhar, estudar, trabalhar, estudar… A grande desculpa é; “não posso me focar em nada além disso, esse é meu momento de pegar o leão pela juba e lutar pelas minhas conquistas”. O que não acho que esteja de todo errado, mas por outro lado me sinto superficial com as minhas relações pessoais. Estou sempre falando de trabalho, de assuntos muito específicos, que não agradam a todos, ocupada demais para dedicar um tempo de qualidade ou cansada demais para qualquer outra coisa. Tento me fazer disponível, mas a lista de mensagens que demoro a responder e a agenda sempre com horários para cumprir piscam na minha cara. Quando meu corpo está presente, minha alma e pensamentos costumam se dispersar. Isso quando não me canso de tudo e me isolo aos finais de semana. Um claro sinal de que não estou conseguindo me manter em equilíbrio. Isso me incomoda. Quem também se sente assim?

Então hoje pela manhã assei um pão de grãos. Enquanto a massa crescia na forma e o cheiro impregnava a casa eu fiquei me questionando sobre a vida, exigindo de mim mesma melhorias. Sou extremamente exigente, meu Deus! Preciso de ninguém para ficar no meu pé, faço o papel com esmero. Quando o pão dourou formando uma casca crocante desliguei o forno e o cortei ainda quente. Uma boa passada de manteiga artesanal, uma caneca significativa de café e damascos secos. Foi o suficiente para eu esquecer tudo que perturbava a minha mente.

Já provaram algo mais gostoso que pão? Pizza é uma competidora forte, e mesmo que eu consiga não dá para comer pizza todos os dias. Agora pão… nossa, pão é básico, deliciosamente básico. Todos os dias na mesa e nós nem reparamos nele com cuidado. Mas ele sempre está lá para começar o dia. Não muito, nem pouco. Só o justamente necessário. Um pedaço de pão quente com a manteiga derretendo com o calor da massa me fizeram sentir abraçada de dentro para fora.

Às vezes corremos atrás de grandes conquistas. O que não tem nada de errado. Deus colocou em nós o desejo de criar, enfrentar aventuras e conquistar. Isso está no nosso sangue, precisamos dessas sensações para nos sentirmos vivos. Desafios são necessários e importantes. O problema é também esquecer da importância daqueles e daquilo que são como o pão. Tão simples e disponível, aquilo que nos dá força sem grandes firulas ou sem chamar muita atenção. Água, farinha de trigo, óleo e fermento são a base. Quatro ingredientes. Quer algo mais simples?

Não esqueçamos que a vida pode ser deliciosa sem grandes exageros, nem para mais, nem para menos, só aquilo que se encaixa justinho dentro de nós. Aquilo que nos espera todas as manhãs, sem fazer grandes alardes, às vezes imperceptível, mas sempre lá para nos dar uma força, mesmo sem dizer nada.

Deus mandou um pequeno presente para me lembrar que tudo ficará bem <3

Bom domingo para vocês!

Com amor,

Hady

You may also like
Gastronomia
Meus rumos na gastronomia
14 de outubro de 2017
Cotidiano
Menininha não cresça mais não
14 de setembro de 2017
Cotidiano
Segura esse rojão
4 de setembro de 2017
emalgumlugardasestrelas-blogvuou-2
Livros

Em Algum Lugar nas Estrelas (Clare Vanderpool)

Você já desejou que um livro nunca acabasse? Pois foi exatamente essa a sensação que eu tive com Em Algum Lugar Nas Estrelas, da autora Clare Vanderpool. Quando li a última linha desejei que esse livro não tivesse fim, assim como o PI é infinito <3

Admirei a vastidão do oceano. Fiquei ali fascinado com sua profundidade e seu mistério. E percebi que estava igualmente fascinado com Early Auden. Sim, ele era estranho. Sim, podia ser irritante. E, sim, era meu amigo.

emalgumlugardasestrelas-blogvuou-3

SINOPSE

* Em Algum Lugar Nas Estrelas é um romance sobre a difícil arte de crescer em um mundo que não parece estar preparado para nós. Pelo menos é desse jeito que Jack Baker se sente. A Segunda Guerra Mundial estava no fim, mas ele não tinha motivos para comemorar. Sua mãe morreu e seu pai, um comandante naval, parecia não se preocupar muito com o filho. Jack é então levado para um internato no Maine. O clima do colégio militar, o oceano que ele nunca tinha visto, a indiferença dos outros alunos: tudo aquilo faz Jack se sentir isolado. Até ele conhecer o enigmático Early Auden.

Early é um menino ímpar, diferente de todos outros. Inteligente, introspectivo e obsessivo, essas são algumas características do menino. Ele está crente que sabe decifrar a casas decimais do número PI em formato de uma grande odisseia. E que por de trás desses número há uma história que o levará até seu irmão dado como morto em combate, mas que ela acredita que esteja vivo. Por de trás de toda essa genialidade há uma enorme dificuldade de se relacionar com o mundo exterior e lidar com as pessoas ao seu redor. Além disso ele tem regras específicas sobre que músicas deve ouvir em cada dia da semana: Louis Armstrong às segundas; Frank Sinatra às quartas; Glenn Miller às sextas; Mozart aos domingos e Billie Holiday sempre que estiver chovendo. Seu comportamento é um dos muitos indícios da síndrome de Asperger, uma forma branda de autismo que só seria descoberta muito tempo depois da Segunda Guerra Mundial, e que inspirou personagens já clássicos como o Sr. Spock (Star Trek), o Dr. House e Sheldon Cooper (The Big Bang Theory).

Quando chegam as festas de fim de ano, a escola fica vazia. Todos os alunos voltam para casa, para celebrar as festas com suas famílias. Todos, menos Jack e Early. Os dois aproveitam a solidão involuntária e partem em uma jornada ao encontro do lendário Urso Apalache. Nessa grande aventura, vão encontrar piratas, seres fantásticos e até, quem sabe, descobrem uma maneira de trazer os mortos de volta mesmo que o que Jack mais precise seja aprender a deixá-los em paz.

* via Skoob 

emalgumlugardasestrelas-blogvuou-4

 

Ligar os pontos. Minha mãe dizia que olhar as estrelas tinha a ver com isso. “Lá em cima é como aqui embaixo, Jackie. Você precisa procurar as coisas que nos conectam. Encontrar os jeitos com que nossos caminhos se cruzam, nossas vidas se interceptam e nossos corações se encontram.”

MINHA OPINIÃO

Demorei um pouco para pegar o ritmo da leitura. Confesso que nos primeiros capítulos me bateu um certo arrependimento de ter comprado o livro, por sorte sou o tipo de pessoa que tem paciência para certas coisas e que não gosta de desistir tão facilmente. De página em página fui tomando gosto pela leitura e após 13 capítulos acabei me apaixonando pela história! Depois foi só amor, suspiros, risadas, momentos tensos e muita tristeza quando precisei dar adeus aos personagens. No final das contas eu só precisava dar uma chance para me apaixonar pela escrita e delicadeza da autora ao abordar temas difíceis como a morte, guerra, traumas e a síndrome de Asperger.

Em Algum Lugar Nas Estrelas me levou a pensar mais sobre a fé, o amor, o perdão e a amizade. Me fez ter momentos profundos de reflexão sobre a importância de nos conectarmos com as pessoas, entender suas dificuldades e restrições. Não somos perfeitos e muitas das nossas discussões e mágoas poderiam ser solucionadas com análises da situação e uma boa dose de paciência e sabedoria. Todos nós temos nosso próprio universo e nossas maneira de enfrentar as mazelas das vida. E apesar dessas diferenças todos nós estamos estamos ligados de alguma maneira uns com os outros, assim como as estrelas no céu. Não somos estrelas solitárias, em algum lugar nesse vasto céu existem pessoas que irão cruzar nossos caminhos e com elas aprenderemos muitas lições.

Também gostei como o livro lembra os filmes que passavam na Sessão da Tarde, como Conte Comigo e Os Goonies. O enredo é bem similar, garotos que saem atrás de aventuras e que durante o caminho descobrem o verdadeiro valor da amizade, enfrentam perigos, tornam-se corajosos e aprendem lições valiosas. Saindo da viagem diferentes da maneira como entraram.

Assim como esse livro me conectou aos pensamentos e lições que Vanderpool quis transmitir através da sua escrita, espero que ele também possa um dia chegar até você. Essa é uma linda história sobre dois garotos que decidiram enfrentar uma aventura e arriscar suas vidas em nome da lealdade e amizade.

Além disso, a edição está linda de maravilhosa! (hahahaha) Sério, a Darkside está caprichando demais nas edições. Apesar de não gostar de todos os títulos da editora ela está de parabéns! Não mostrei o miolo do livro nas fotos porque quero que vocês tenham uma surpresa quando abrirem um exemplar, assim como eu tive. Quero guardar esse momento para vocês <3

emalgumlugardasestrelas-blogvuou-1

emalgumlugardasestrelas-blogvuou-6

emalgumlugardasestrelas-blogvuou-5

 

Até a próxima pessoal!

Com amor,

Hady

You may also like
Livros
ORANGE – Ichigo Takano
12 de fevereiro de 2017
Livros
Resenha: A Festa de Babette – Karen Blixen
15 de janeiro de 2017
Entretenimento
Filme: O Morro dos Ventos Uivantes está disponível na Netflix
12 de janeiro de 2017
DCIM100GOPROGOPR0168.JPG
Aventuras ao ar livre Viagem

Diário da Travessia: Serra Fina, dia 1

São 07:00 da manhã. Estou enrolando na cama desde das 06:00. Meu corpo está aqui, com algumas sequelas, mas meu coração e mente estão longe, no topo das montanhas da Serra da Mantiqueira. Quando paro para pensar no final de semana que passei fazendo uma das travessias consideradas mais difíceis do Brasil chego à conclusão que difícil não é escalar as montanhas, acampar em locais precários ou passar frio. Difícil mesmo é voltar para a “sociedade”, encarar os velhos problemas, os alertas no e-mail, olhar no espelho e pensar que eu não queria estar me arrumando para causar uma boa impressão nos outros. Que eu gostaria mesmo é de estar suja com a poeira das trilhas, cabelo amarrado, botas nos pés e mochila das costas.

“There’s a whisper on the night wind, there’s a star agleam to guide us. And the wild is calling, calling… let us go” – Robert W. Service

Quinta-feria, dia 06 de Julho de 2017 

Acordei num salto às 03:00 manhã. Já estava vestida com minha roupas de trekking, lavei o rosto, calcei as botas, passei o café, peguei a câmera e saí pela porta da sala. Ainda estava escuro quando fechei a última porteira do sítio e entrei no carro para começar uma das grandes aventuras da minha vida. Ao meu lado meu velho companheiro de aventuras, no porta malas duas mochilas, no Spotify tocava Mumford & Sons e do lado de fora a estrada tomava seu curso. Nosso destino, Passa Quatro – MG, mas antes uma parada em Itamonte – MG para deixar o carro estacionado na casa do Marquinhos, um mineiro muito gente boa que faz o resgate dos montanhistas. Para quem não sabe, resgate é quando uma pessoa, ou uma empresa, leva os montanhistas até o começo da trilha e depois busca no final dela. Por ser uma travessia nós não terminamos a trilha no mesmo ponto que começamos.  De Itamonte até o começo da trilha, na Toca do Lobo, demoramos em média uns 40 minutos no carro do Marquinhos. Nos despedimos e combinamos o horário de encontro no Domingo ao final do percurso.

* Para quem tiver interesse em anotar o contato do Marquinhos, aí vai: 9 9113-1214 / 9 8428-1059

DCIM100GOPROGOPR0055.JPG

No início da trilha já estava à nossa espera o Luiz Fernando, trilheiro experiente e amigo do meu pai, mas que também tenho a alegria de chamar de meu amigo aventureiro. Independente das nossas diferenças, quando conversamos sobre trekking falamos a mesma língua. Já fiz algumas viagens com o Luiz, e quando comentei que queria fazer a Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro, ele perguntou se eu topava fazer a Serra Fina. Obviamente topei na hora. E já que ele tinha feito a travessia antes, ele seria o nosso guia. Com ele veio o Vagner, um cara muito gente fina e engraçado que tem no currículo o circuito da Patagônia e que pratica rapel há um bom tempo. Todo animado ele apresentou a sua esposa, Thalita. A Thalita não costuma fazer trilhas e travessias, mas ficou animada e quis enfrentar a Serra Fina ao saber que teria uma mulher no grupo. O Luiz riu ao dizer, “Mal sabe ela que tipo de mulher é a Hadassah”. Mas independente o “tipo”de mulher que eu sou, ela se deu muito bem na travessia e mostrou bastante garra.

Todos reunidos, mochilas nas costas, fizemos uma oração e começamos a nossa caminhada até a Toca do Lobo, o primeiro e último ponto de água até o final do segundo dia. A Serra Fina é considerada uma das travessias mais difíceis do Brasil não só pelo grau de subidas e descidas arriscadas, mas também pela falta de água. Os pontos são poucos então precisamos carregar um média de 3 a 4 litros (por pessoa) de água nas costas, levando em consideração o preparo das refeições e hidratação. Esse peso a mais conta na hora da caminhada! A água torna-se um dos bens mais preciosos nessa trilha.

A água que cai direto da montanha é deliciosamente gelada! Mesmo aparentemente limpa não esquecemos de adicionar algumas gotas de hipocloreto de sódio nas nossas garrafas. Abastecidos começamos subir até o Quartzito, a 2020m de altitude.

DCIM100GOPROGOPR0166.JPG

Seria muita burrice encarar a Serra Fina sem preparar 0 psicológico e físico para as subidas. Se você não tiver uma cabeça forte para encarar os picos já desisti logo no começo. Olhar aquelas montanhas e pensar que terá que atravessa-las pode causar um desânimo. No primeiro dia me senti assim. Mas o Luiz me deu um conselho muito bom. Olhar para baixo e seguir em frente, sem pensar muito no meu cansaço. Penso que na vida, muitas das vezes, também é assim. Quando o desafio é grande ao invés de olhar lá na frente é melhor focar no agora, dar o melhor de si no momento presente. E quando menos percebermos a montanha terá sido conquistada.

Assim que saímos da Toca do Lobo foi só subida atrás de subida. E não se engane, meu caro leitor, a trilhas da Serra Fina não abertas e limpas. Em muitos momentos havia apenas um rastro no caminho fechado pela vegetação, que tivemos que passar afastando árvores e apoiando as mãos em rochas. Uma experiência pra lá de agradável, para quem gosta de enfrentar desafios ao ar livre. E para quem não liga para alguns cortes nas mãos, unhas lascadas e sujas. Ah, uma dica, use luvas! Ajuda a projetar as mãos durante as escaladas.

Perto da 1 da tarde paramos para almoçarmos. Cada um abriu sua mochila e comeu o que trouxe de casa. Eu eu meu pai havíamos tomado um café reforçado no meio do caminho até Passa Quatro, então nosso almoço foi um lanche de assado de legumes, castanhas e frutas secas. Depois de uma parada para algumas fotos retomamos o caminho até o topo do Camelo a 2380m de altitude, passando pelo Cotovelo. Para chegar até lá tivemos que passar pela primeira crista da travessia. E foi inesquecível. Para mim foi como passar por um portal mágico. Me senti finalmente parte daquela imensidão. Como uma iniciação. Eu estava oficialmente enfrentando o desafio em meio à natureza praticamente intocada pelo homem, tão majestosa e imponente que se levantava à minha frente. Aparentemente intransponível, mas que eu conseguiria descobrir e enfrentar, dando um passo por vez.

Da crista até o Cotovelo e depois até o Camelo. Foram por esses pontos que passamos no primeiro dia. A ideia era acampar em algum local após o Alto do Capim Amarelo, mas quando chegamos ao topo do Camelo já eram 17:00, em menos de uma hora já estaria escuro. Conversamos e chegamos à conclusão que seria mais prudente montar acampamento por lá mesmo. Vimos muitos montanhistas fazendo a trilha durante a noite. Essa escolha vai de pessoa para pessoa. Nosso grupo optou por sempre montar o acampamento ainda com a luz da dia. Por alguns motivos, como mais comodidade, segurança e também para descansarmos mais tempo.

Quando terminamos de montar as barracas o sol já ia se escondendo no horizonte. Uma das minhas cenas favoritas! Gosto muito de ver o pôr do sol, em geral, mas vê-lo se despedindo em cima das montanhas é ainda mais encantador. Me senti muito grata e feliz. Não fotografei. Estava tão entretida com a paisagem que quis viver aquele momento em sua plenitude, sem me preocupar em fotografar, sem pensar em nada, apenas aproveitar e guardar cada segundo na minha memória. E mesmo que eu tivesse fotografado, nenhuma foto ia traduzir a beleza daquele momento. Viver é muito melhor! Mas não se preocupem, tirei fotos nos dias seguintes da travessia, vou publicar nos próximos posts 🙂

Depois das 18:00 não tínhamos muito o que fazer. A temperatura começou a baixar e o vento ficou mais forte. Restou fazer a janta e nos ajeitarmos para passar a noite. Enquanto meu pai fazia sua higienização pessoal (Não tem como tomar banho nessa trilha. Então, sim… passamos quatro dias limpando nossos corpos com lencinhos umedecidos. Sem frescura gente, é suportável!) eu fazia uma bela macarronada no fogareiro. E mesmo economizando água a janta estava muito boa. Eu e meu pai comemos até dizer chega! Sou da seguinte opinião, comer bem é importante, independente do local. Mesmo numa trilha, dá para fazer uma comida muito gostosa, é só montar o cardápio certo.

Enquanto eu cozinhava um ratinho silvestre apareceu bem perto da nossa barraca. Seu medo nenhum ele se aproximou da sacola de comida e tentou surrupiar um pedaço de pão. Levei um susto no primeiro momento! Imagina você, ver um rato assim, na maior cara de pau tentando roubar sua comida! Depois caí na risada e achei a coisa mais fofa do mundo. Joguei no chão um pouco de macarrão e ele veio correndo, pegou um pedaço e logo se escondeu no arbusto perto da barraca. E assim terminei meu primeiro dia dividindo minha janta com um rato. Melhor experiência! Que se repetiu no dia seguinte. Das duas uma, esse rato me seguiu pela trilha atrás de comida ou os ratos da Serra Fina já estão tão acostumados com os trilheiros que eles sabem que vão ter comida fácil perto dos acampamentos. Por isso eles são ousados o suficiente para chegar perto de nós, humanos. Acredito que seja a segunda opção.

Comida guardada, mochilas organizadas, roupas limpas e duas meias nos pés depois… estávamos dentro dos nossos sacos de dormir. Prontos para enfrentar nossa primeira, e gelada, noite na Serra Fina.

Mapa da Serra Fina

Mapa da Serra Fina

CONTINUA…

Com amor,

Hady

You may also like
Aventuras ao ar livre Viagem
Diário de Travessia: Serra Fina, dia 3 e 4
18 de outubro de 2017
Aventuras ao ar livre Viagem
Diário de Travessia: Serra Fina, dia 2
7 de agosto de 2017
Viagem
Praia do Sono X Cachoeira do Saco Bravo: Camping, trilhas e belas paisagens
19 de abril de 2017
You may also like
Cotidiano
Não muito, nem pouco.
23 de julho de 2017
Crônica
O Morcego na cozinha
24 de julho de 2016
Vida
Escolhendo o essencial, o desejo mais profundo do nosso coração
10 de dezembro de 2015
Close