Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)
Atonement (Desejo e Reparação)

Briony Tallis é uma menina de 13 anos que vive na Inglaterra de 1935. Quando toda a família decidi passar o verão reunida em uma confortável mansão, Briony passa a dedicar-se a criar uma peça de teatro para ser apresentada em homenagem a chegada do irmão, Leon. Enquanto se esforça para terminar a peça e conseguir a atenção dos primos, os gêmeos Pierrot e Jackson, e a irmã deles, Lola Quincey.

Briony descobre um possível jogo de atração entre a sua irmã Cecilia e o filho do antigo empregado da família, Robbie Turner, por quem a garota tem uma paixão secreta. E por um triste acaso a menina lê uma carta que acaba causando uma séria de maus entendidos. Quando sua prima Lola sofre abusos sexuais, Briony movida pela raiva e imaginação fértil acusa Robbie injustamente do crime, levando-o a prisão e mais tarde a alistar-se no exército britânico para lutar na 2ª Guerra Mundial como alternativa ao cárcere. Já em plena guerra, Robbie reencontra Cecilia, que agora é enfermeira, e os dois trocam promessas de amor eterno. As constantes permutas temporais, uma grande trilha sonora aliada ao grande roteiro e o fim inesperado fizeram deste filme o vencedor do globo de ouro para melhor filme dramático 2008. Beseado no best-seller homónimo do escritor britânico Ian McEwa.

 

Sinceramente eu não esperava tanto do filme. Assim que apertei o play lembro que pensei “ok, lá vem mais um desses romances dramáticos, mas como preciso treinar minha parte romântica (hahahaha) bóra aproveitar para dar umas suspiradas e choradinhas”. Me enganei redondamente!

Atonement não é um romance dramático frescurento, mas uma obra intensa, cheia de pormenores visuais, fotografia de tirar o fôlego e takes que me fizeram aplaudir (literalmente). E a trilha sonora? Caramba! Como a série de maus entendidos começa com uma carta que Robbie datilografou, a trilha sonora usa o som que a máquina de escrever provoca para dar ritmo às melodias. Achei simplesmente genial essa ideia!

A história também é muito boa, e sem dar spoilers, Atonement narra os horrores da guerra, as diferenças sociais, como algumas mentiras podem levar à destruição de uma família e impossibilidade de um final feliz, e como nossas ações podem interferir na nossa história, como também no destino dos que nos rodeiam. O diretor Joe Wright conseguiu transformar uma história densa num grande espetáculo de beleza. Fiquei meio sem palavras quando acabei de assistir Atonement. Indico em todos os aspectos, direção, trilha, fotografia, roteiro e história.